Crea a túa ruta
Eventos do Mes
L
M
M
X
V
S
D
     1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31      
Hoxe é 15 de Decembro do 2018
Actividades destacadas
Temas Frecuentes
Ruta do Viño Monterrei > Património Histórico

Património Histórico

Um percurso pela comarca de Monterrei leva-nos a encontrar diferentes tipos de exemplos arquitetónicos de uma época passada, cheia de romantismo e história. São numerosos os vestígios que testemunham a presença dos romanos nestas terras. Prova disto são os restos da calçada romana que comunicava as vias XVII e XVIII do itinerário Antonino.

A calçada parece ser uma via paralela à conhecida como Via do Támega (Chaves – Ourense – Lugo), que iria desde Chaves a Xinzo de Limia, quase em paralelo com a anterior mas mais ao oeste. Pode-se considerar um ramal da famosa Via da Prata que desde Córdoba chegava até Compostela.

Via da Prata

Catedral de Santiago de CompostelaÉ o caminho jacobeu galego de mais longo percurso. Passa por terras das províncias de Ourense, Pontevedra e A Coruña, cruzando espaços naturais de grande beleza e com um rico património cultural e ecológico. Procedente da Andalucía e a Extremadura; entra na Galiza pelas Portelas do Padornelo e da Canda e passa pelo sector setentrional do vale de Monterrei e da Limia até chegar a Ourense. Nesta cidade confluem a Via da Prata e alguns dos caminhos portugueses interiores, que chegam à Galiza através dos vales da Limia e do Támega. Este caminho é conhecido, no troço final, como «o caminho ourensã».

Para além da pegada romana, a Rota da Prata representa outros valores históricos: foi empregue pelo comércio de prata americana chegada às docas de Sevilla; foi uma rota transumante muito importante e ademais foi ademais o itinerário de expansão do reino medieval da Galiza-León para o sul, na segunda metade do século XII e na primeira do XIII. De um ponto de vista jacobeu, a Rota da Prata começou a recuperar certa importância nos últimos anos, sobretudo à medida que foi sendo sinalizado.

Castelo de Monterrei

Castelo de Monterrei

Posteriormente à presença romana nestas terras, começaram as invasões dos povos germânicos, dos que a população natural se defendeu empregando os castros. Viveram-se épocas convulsas nestas terras durante as posteriores invasões árabes e a Reconquista. A importância da zona, de um modo geral, deveu-se ao seu carácter fronteiriço. Por este motivo, desde o século XII experimentou-se a pujança do termo de Monterrei.

O paço-fortaleza de Monterrei encontra-se na freguesia de Santa Maria, a 72 quilómetros de Ourense. Este monumental conjunto fortificado, em que se assentaram as linhagens dos Ulhoa, Zúñiga, Biedma, Fonseca, Acevedo e os Duques de Alba; foi um enclave estratégico desde a Idade Média na fronteira com Portugal. O castelo foi construído no século XII por Afonso Henriques, neto de Afonso VI, e ganhou importância no XIV com Pedro I, o Cruel.

A fortaleza foi-se adaptando a diferentes estilos ao longo da sua história. O mais destacado do castelo é, sem dúvida, a Torre de Menagem; que foi construída no século XV, em tempos dos Reis Católicos, por D. Sancho Sánchez de Ulhoa, primeiro Conde de Monterrei.

O estado de conservação do castelo é bastante bom. Em seu interior conservam-se ainda hoje os ornamentos que se foram acrescentando com os diferentes estilos artísticos. Pelo seu grande valor e beleza, o castelo de Monterrei foi convertido em Monumento Nacional.

Castelo de Monterrei